AÇÃO É A CHAVE DA MUDANÇA PARA SE REINVENTAR


Foto: Geralt/Pixabay


Dados levantados no fim do primeiro semestre de 2020, logo no início da pandemia de Covid-19, apontam que mais de 520 mil empresas, de um total de 1,3 milhão que estavam com as atividades suspensas, tiveram que encerrar as atividades de forma definitiva*. Esta é apenas parte de uma realidade que assolou milhares de empresários e trabalhadores em virtude da pandemia. Outra parte importante deste cenário diz respeito aos impactos emocionais resultantes deste episódio – um momento que ficará registrado na história da humanidade. Passados quase dois anos do início da disseminação da doença em larga escala, a sociedade demonstra estar conseguindo se adaptar, reaprender a viver e adotar cuidados que, antes, não faziam parte do seu dia a dia.


2021 foi desafiador para empresários se reerguerem e recomeçarem. Aqueles que, ao longo do ano, não precisaram demitir ou fechar as portas, tiveram que se reinventar. O medo foi comum neste período, e segue sendo em muitas empresas e para muitas pessoas. O psicólogo Fernando Jullian explica que a psicologia aponta para atitudes e ações como parte do processo de mudança. “Desafios podem nos travar, mas também podem fazer os negócios voarem mais alto quando você se reinventa. Refletir o que, na prática, pode ser realizado para essa transformação é entender que o sofrimento, ou experiência, traz aprendizado. Ressignificar a dor é dar novo sentido à vida”, ressalta Jullian.


Ele comenta ser fundamental cumprir etapas e encerrar o ano com processos e sentimentos resolvidos. “É justamente por deixar para trás os sentimentos não resolvidos que não conseguimos prosseguir mais leves e avançar nos projetos. É necessário resolver, acolher e trazer os sentimentos à luz da consciência, direcioná-los para a cura. A leveza é a consequência do que fazemos com os sentimentos”, explica o psicólogo.


CAMINHO DE VOLTA


Neste ritmo de levantar-se e seguir em frente, o brasileiro mostrou reações positivas que podem ser traduzidas pelos números do segundo quadrimestre deste ano, quando foram criadas mais de 1,4 milhão de empresas no País. Hoje, o total de empresas ativas é de quase 18,5 milhões, segundo dados divulgados pelo Governo Federal no Mapa de Empresas do Ministério da Economia.


Jullian ressalta a importância de cada ser humano lembrar que não é o que sente. “Identificar a origem do sofrimento e entender que ele não corresponde ao todo da nossa vida, nos ajuda a preservar e se conectar com o que está bem. Mudar o foco tornará tudo mais leve, nos permitindo desfrutar do bem-estar que o momento pode proporcionar”, afirma, alertando que sempre haverá possibilidades de prosseguir e de lidar com as dificuldades. “Se não conseguirmos vislumbrar isto sozinhos, então é o momento de pedirmos ajuda”, completa.


Encontrar razões para seguir em frente pode ser uma forma de superar a dor. Entre as razões, ele aponta a família, por exemplo. Outro caminho é lembrar que nada é para sempre. A dificuldade nos negócios, ou na vida, também não. “No próximo passo, tudo pode mudar”, completa o profissional.


AMPARO EMOCIONAL


Dados divulgados pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), ainda em 2020, revelam o agravamento da saúde mental após o início da pandemia. Foram entrevistados cerca de 400 médicos de 23 estados e do Distrito Federal, correspondentes a 8% do total de psiquiatras do País, e 89,2% destacaram quadros psiquiátricos elevados em seus pacientes.


Tanto em virtude do distanciamento social quanto pelo aumento da demanda, cresceu o número de profissionais de psicologia atendendo de forma virtual nesta pandemia. Buscar ajuda é o principal passo para começar uma nova jornada, uma nova etapa, um novo ano com múltiplas possibilidades de escrever uma nova história. “Estabelecer metas, cuidar da saúde, praticar atividades físicas e se conectar com o próximo podem ser incentivos para começar bem 2022”, finaliza o psicólogo.



* Os dados foram divulgados pela Agência Brasil, são os primeiros resultados da Pesquisa Pulso Empresa: Impacto da Covid-19 nas Empresas, Estatísticas Experimentais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).