COM ÍNDICE SUPERIOR À MÉDIA BRASILEIRA, ECONOMIA CATARINENSE CRESCE 9,13% NO 1° SEMESTRE


Foto: AhmadArdity/Pixabay


O Índice de Atividade Econômica (IBC) em Santa Catarina avançou 9,13% de janeiro a junho deste ano na comparação com o primeiro semestre de 2020. No mesmo período, o Brasil teve expansão de 7,01%, conforme o indicador medido pelo Banco Central, analisado pelo Observatório da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC). No dado dessazonalizado de junho, o IBC alcançou a terceira elevação consecutiva no estado, com expansão de 0,36% na comparação com maio.


Em relação a junho de 2020, Santa Catarina teve expansão da atividade econômica de 10,15% - o resultado também ficou acima da média nacional que foi de 9,07%. O desempenho mantém Santa Catarina na terceira posição entre os estados brasileiros, atrás do Espírito Santo e do Amazonas.


O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, avalia que os resultados demonstram a recuperação da economia catarinense e são o reflexo de um estado diversificado, dinâmico e empreendedor. “A confiança dos empresários industriais tem crescido, o que demonstra disposição para novos investimentos e perspectiva de mais crescimento no segundo semestre”.


De acordo com análise realizada pelo Observatório FIESC, o resultado positivo do setor de Serviços em junho, divulgado pelo IBGE, foi o principal catalizador da expansão da economia do estado no mês. Entre os destaques, estão os serviços prestados às famílias e os serviços de informação e comunicação, ambos com expansão de cerca de 8% em junho na comparação com maio.


Dentre os setores industriais, apesar da leve retração de 0,3% em junho, conforme o Índice de Produção Industrial calculado pelo IBGE, houve destaque para produtos de madeira, veículos automotores e máquinas e equipamentos que registraram as maiores expansões no período, com parte da demanda oriunda do mercado externo.


Fonte: FIESC

Posts recentes

Ver tudo

DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS CAEM ESTE ANO

“À medida que o Brasil avança na vacinação em massa, estamos gradualmente saindo do estado de emergência para o retorno seguro ao trabalho, à normalidade”, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes