Buscar
  • Vizzotto Editora

Construção civil cresce 5,6%, mas alta de preços de insumos impede elevação maior


Foto: Divulgação/CBIC


O crescimento de 5,6% da construção civil no terceiro trimestre do ano, em relação ao trimestre anterior, poderia ter sido ainda maior se não fossem a alta de preços e a escassez de insumos básicos do setor, conforme os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo IBGE. A constatação é do Informativo Econômico da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), elaborado em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). O custo com matérias e equipamentos subiu 14,49% nos dez primeiros meses do ano, conforme dados do Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), calculado pela Fundação Getúlio Vargas.


O desempenho mais agressivo da construção civil foi travado por uma alta expressiva de preços e por desabastecimento de insumos como tubos e conexões de PVC, ferro e aço, vergalhões, condutores elétricos, cimento e bloco cerâmico. Por isso, o ritmo de algumas obras foi reduzido, constata o Informativo Econômico.


“Como o INCC/FGV apura o custo da construção em sete capitais, aumentos ainda maiores podem ter ocorrido e não foram contabilizados pela metodologia de cálculo do indicador”, ressalta Ieda Vasconcelos, economista do Banco de Dados da CBIC.


Contra uma retração de 8,1% da construção civil no segundo trimestre do ano, a pior já registrada na série histórica do PIB trimestral, iniciada em 1996, o crescimento de 5,6% foi o maior registrado desde o início de 2014. O setor, portanto, contribuiu decisivamente para impulsionar a economia brasileira, apesar da pandemia da Covid-19, destaca o Informativo Econômico.


Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) contabilizaram um saldo líquido (diferença entre admitidos e desligados) de 137.920 novos postos de trabalho com carteira assinada no setor entre julho e setembro, três vezes mais do que o número de vagas geradas no primeiro trimestre do ano. A PNAD Contínua, divulgada no último dia 2 pelo IBGE, indicou, por sua vez, uma alta de 7,5% de pessoas ocupadas na construção civil no terceiro trimestre comparativamente ao trimestre anterior, com 5,7 milhões de brasileiros.


“Apesar da crise, o setor continuou gerando emprego e renda”, assinala Ieda Vasconcelos.


Fonte: CBIC

3 visualizações0 comentário

Centro Empresarial Sibara

Avenida Brasil, 1500, sala 317

Centro | Balneário Camboriú

88.330-901

CONTATO:  (47) 3264.9639  |  3361.0191   |   3398.3820   |   9936.0147

Copyright © 2018 Vizzotto Editora - Todos os direitos reservados.