CONSTRUÇÃO CIVIL - GERANDO EMPREGOS, RIQUEZAS E DESENVOLVIMENTO



O volume de construção em Itapema cresceu cerca de 130% nos últimos cinco anos. Em 2017, a área total licenciada pela prefeitura local foi de 543,5 mil metros quadrados, representando 186 alvarás de licença de construção expedidos. No ano passado, saltou para 1,246 milhão de metros quadrados, totalizando 271 alvarás.


Os números constam no Caderno de Protocolo de ALC (Alvará de Licença de Construção) da prefeitura e refletem não só o aquecimento do setor na cidade, mas sua relevância econômica e social.


Com belas praias e construção civil a todo vapor, cada vez mais Itapema se torna o centro das atenções no País em mercado imobiliário. A cidade, servida por malha rodoviária federal duplicada, próxima a portos e aeroportos internacionais, e com muitas oportunidades de emprego e negócios, também atrai pessoas que buscam viver com qualidade e aportar seus recursos em ativos sólidos, como a construção civil numa região em franca expansão.


Conforme dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o censo de 2021 apontou população de 69.323 pessoas em Itapema. Comparando 2020 com 2021, a cidade ficou entre as cinco catarinenses que mais cresceram nos últimos 12 meses, ocupando a segunda posição, com taxa de 2,95%. Se comparmos com os dados de 2010, quando o censo apontou 45.797 residentes, o salto em crescimento populacional foi superior a 50% em 11 anos.


GERANDO RIQUEZAS


O PIB municipal, que em 2013 ocupava a 36a posição no cenário estadual, passou para a 27a posição em 2019, galgando nove posições no ranking catarinense em sete anos. "Não temos dúvidas que a construção civil foi um marco divisor neste cenário, trazendo riqueza e renda para a cidade", afirma o presidente do Sinduscon Costa Esmeralda, Rodrigo Passos Silva. No PIB per capita, ou seja, a soma das riquezas divididas pelo número de habitantes, o salto foi ainda mais expressivo no mesmo período, subindo da posição 180 no ranking estadual em 2013 para a posição 146 em 2019.


Quando o assunto é Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), ainda conforme do IBGE, Itapema ocupa a 12a posição entre os mais de 290 municípios catarinenses. Vale dizer que em 1991, ocupava a posição 77. "Há uma linha do tempo muito bem definida, onde percebemos a construção civil em Itapema despontar de forma clara. Isso ocorre há cerca de 15 anos, quando vemos um 'boom' imobiliário que começa a transformar o padrão das nossas obras e o volume em metragem construída aumenta. É nesse momento que Itapema passa a ganhar ainda mais notoriedade, principalmente por suas praias que já eram conhecidas em todo o País, mas agora também por atrair capital interessado nesse novo conceito de viver bem e em imóveis de alto padrão", conta Passos Silva.


GERANDO DESENVOLVIMENTO


Nos últimos anos, além de gerar emprego e renda, movimentando comércios e serviços, o setor também passou a colaborar com o desenvolvimento da cidade não somente através dos impostos que a própria atividade recolhe aos cofres públicos e que os empreendimentos posteriormente geram em tributos municipais, mas também através do instrumento da Outorga Onerosa do Direito de Construir. Instituída em Itapema há cerca de quatro anos, a outorga permite ao construtor edificar pavimentos acima do limite estabelecido pelo plano diretor, porém mediante o pagamento de contrapartida à prefeitura. Os recursos advindos da outorga onerosa são direcionados ao desenvolvimento urbano, conforme prevê o Estatuto da Cidade, Lei Federal 10.257/01. "Isso significa dizer que cada pavimento a mais que se constrói, se paga por este direito, e este recurso pago pelo construtor vai para a cidade investir em infraestrutura urbana, como abertura de novas ruas, construção de pontes, praças, equipamentos urbanos e comunitários que tragam qualidade de vida, mobilidade e sustentabilidade. Grandes cidades brasileiras que fazem uso deste instrumento há mais tempo deram saltos expressivos em conceito urbano, se desenvolveram com mais qualidade, planejamento e rapidez. Itapema também já pode usufruir deste direito e, mais uma vez, a construção civil tem participação decisiva no futuro da cidade", completa o presidente.


GERANDO EMPREGOS


Conforme números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Previdência, em 2020 a construção de Itapema contratou 4.110 pessoas e demitiu 3.639, resultando em saldo positivo de 471 vagas. Em 2021, as contratações somaram 6.942, contra 5.585 desligamentos, triplicando o saldo positivo de empregos: 1.357 vagas. Em ambos os anos, a construção foi o setor que mais con-tratou e maior saldo positivo de empregos gerou na cidade, considerando os setores de Agropecuária, Indústria, Comércio e Serviços. Em 2021, o saldo total de empregos gerados pelos cinco setores produtivos de Itapema somou 2.889 vagas, e a construção – com seu saldo de 1.357 empregos - respondeu por quase 50% deste volume.


O presidente do Sinduscon Costa Esmeralda, Rodrigo Passos Silva, fala dos aspectos sociais que a atividade representa para a população. "São mais de seis mil pessoas empregadas diretamente na construção em Itapema. Se formos tentar contabilizar os empregos indiretos, os números se tornam incalculáveis porque o setor movimenta ao seu redor uma gigantesca rede de produtos e serviços, criando uma cadeia produtiva que engloba desde fornecedores de insumos para uma obra até decoradores", explica.


Ele acrescenta que a responsabilidade aumenta na mesma medida da importância da atividade para a economia onde ela se desenvolve, o que faz apurar o olhar sobre o macrocenário em seu entorno e todas as variáveis que atuam sobre o setor. "Sabemos que quando uma pessoa está empregada, ela é agente influenciador de uma cadeia de negócios positiva que envolve o comércio do seu bairro, o transporte, os bens de consumo duráveis, o mercado de locação imobiliária, o lazer, o recolhimento de impostos, entre outros fatores. É preciso assegurar a manutenção deste ciclo virtuoso, sempre tendo em vista o futuro alicerçado em bases sólidas que somente o desenvolvimento econômico e social sustentáveis são capazes de garantir", finaliza Passos Silva.


Foto: Cooltig/Pixabay