CONSTRUÇÃO CIVIL MOSTRA RESILIÊNCIA E CRESCE 2,7% NO 2º TRIMESTRE DE 2021


Foto: kevstream/Pixabay


Enquanto a economia nacional registrou relativa estabilidade (queda de -0,1%) no segundo trimestre de 2021, em relação aos três primeiros meses do ano, frustrando as expectativas dos analistas de mercado, que aguardavam alta de até 0,2%, a construção civil mostrou resiliência e cresceu 2,7%. Os dados são resultados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados na quarta-feira (01) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Desde o terceiro trimestre de 2020, o setor vem apresentando números positivos, demonstrando uma retomada consistente, e que certamente está contribuindo para a economia nacional enfrentar a crise que se instalou em função da pandemia.


No segundo trimestre de 2021, se comparado ao mesmo período do ano passado, o setor cresceu 13,1%. A economista do Banco de Dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Ieda Vasconcelos, ressalta que de abril a junho de 2020, em função do maior impacto da pandemia de Covid-19, “a construção apresentou queda de 13,6%. Portanto, a base de comparação está muito deprimida”.


A economista destaca que a última estimativa da CBIC para o resultado final do PIB da construção civil, em 2021, indicava alta de 4%. “Com os números divulgados pelo IBGE e com os dados mais recentes do mercado de trabalho formal, mostrando uma retomada consistente do setor, a entidade poderá revisar essa estimativa para maior”, menciona.


No entanto, Vasconcelos salienta que a construção segue preocupada com os aumentos expressivos dos seus custos, que há 13 meses consecutivos vem inibindo um avanço ainda maior de suas atividades. “Caso o setor não estivesse enfrentando esse problema, certamente o seu crescimento seria ainda mais robusto”, diz.


Fonte: CBIC

Posts recentes

Ver tudo

DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS CAEM ESTE ANO

“À medida que o Brasil avança na vacinação em massa, estamos gradualmente saindo do estado de emergência para o retorno seguro ao trabalho, à normalidade”, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes