CRÉDITO IMOBILIÁRIO: CAIXA ANUNCIA REDUÇÃO DOS JUROS


A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), por meio da Comissão de Habitação de Interesse Social (CHIS), promoveu a reunião de trabalho “A Caixa quer ouvir você”. Durante o encontro, o diretor-executivo da Caixa, Rodrigo Wermelinger, disse que as novas taxas de juros do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) devem entrar em vigor a partir do dia 22 de outubro. No segundo evento do dia, Caixa + Construção Civil, o presidente do banco, Pedro Guimarães, anunciou a redução dos juros do crédito imobiliário para 2,95% ao ano mais remuneração da poupança. A medida entrará em vigor a partir do dia 18 de outubro.

Wermelinger destacou a redução das taxas de juros para famílias com renda mensal entre R$ 4 mil e R$ 7 mil. De acordo com a medida, as taxas de juros destinadas a esse perfil de renda devem ser reduzidas, até 31 de dezembro do próximo ano, em 0,5 ponto percentual, passando de 8,16% para 7,66% ao ano. A Caixa ainda apresentou algumas ações que vem desenvolvendo para facilitar o acesso ao financiamento. Dentre eles, o programa Habite Seguro, que é destinado à promoção do direito à moradia para profissionais de segurança pública, que engloba auxílio entrada, redução de tarifa e aumento da capacidade de financiamento. As contratações acontecerão a partir do dia 3 de novembro deste ano.

No âmbito da habitação de interesse social pelo Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), a Caixa conta com mais de um milhão de unidades habitacionais contratadas. Wermelinger explicou as novas esteiras de análises técnicas, que visam mais agilidade nas avaliações. São elas: Habitação PJ Caixa; Trilha NDT (SBPE); e Incorpora Fácil. A Trilha de Habitação PJ Caixa reduz o tempo de análise da entrega da proposta até a formalização com o chamado term sheet para 30 dias. A Trilha NDT também reduz para 30 dias o prazo. Já a Trilha Incorpora Fácil, reduz para 20 dias. Rodrigo ainda afirmou que as próximas entregas serão: taxa de juros poupança para pessoa jurídica, para empreendimentos mistos e para demanda mínima de pessoa física em diferentes lotes.

Na linha das melhorias nos processos, outro destaque citado pela Caixa foi o endereçamento das demandas da Rede Habitação, com três linhas de abordagem:

– Foco Técnico – Análises técnicas (laudos PJ, avaliações, gestão dos credenciados e certificações: NDT e Selo Azul); presta serviços às GIHAB; padroniza processos, buscando uma esteira remota e digital.

– Gestão e Negócios – É o ponto focal para atendimento na habitação, atuando em conjunto à SEH e AGE, com atendimento consultivo às empresas e busca de geração de negócios; acompanhamento de obras; retomada de obras; e entregas de faixa 1.

– Gestão, Negócios e Técnico – É a “GIHAB + CIHAR” das empresas Corporate. Dá apoio à SEC e Construtoras na geração de negócios, além de tratar do PF Private (piloto no Estado de SP).

No assunto Rede Habitação “Avaliação Engenharia”, Rodrigo apresentou as ações de setembro deste ano. Sobre impacto custo x valor de venda, ele destacou a atualização perene de modelos de avaliação; a agregação de índices tradicionais de mercado para empreendimentos; a aceitação de comprovação de vendas com parâmetros definidos; e a avaliação intervalar no crédito imobiliário para pessoa física. Os motivadores da ação, segundo ele, foram: volatilidade dos preços dos insumos, apoiar a conclusão de obras e ritmos de vendas das unidades habitacionais e manter o cenário de atratividade de novos investimentos.

Carlos Henrique Passos, presidente da CHIS, ressaltou a missão da CBIC em conjunto com a Caixa. “Nossa energia e vontade de empreender vai levar não só as empresas, mas o Brasil para um patamar maior”, afirmou. Ainda participaram da reunião o vice-presidente da CBIC, Eduardo Aroeira, e a superintendente Nacional da Caixa, Suely Buriham.

Veja a apresentação da Caixa na íntegra.

Fonte: Agência CBIC

Imagem: Fernando Zhiminaicela/Pixabay