FIESC E MINISTÉRIO DA DEFESA FIRMAM COOPERAÇÃO, COM FOCO EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO


Foto: blickpixel/Pixabay


A Federação das Indústrias (FIESC), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/SC) e o Ministério da Defesa assinaram acordo de cooperação para fortalecer ações conjuntas nas áreas de defesa, ciência, tecnologia e inovação. A assinatura do termo foi realizada durante encontro na última semana, em Florianópolis, e contou com a participação de representantes do Ministério da Defesa e das Forças Armadas. O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, destacou que a parceria entre a FIESC e as Forças Armadas intensificou-se ao longo dos últimos anos, a partir de uma visão comum. “É estratégico para o País ter uma indústria de defesa nacional robusta. Isso significa, do ponto de vista da FIESC, uma grande oportunidade para o desenvolvimento da nossa indústria, como fornecedora de produtos e serviços, com avanços tecnológicos relevantes, que trarão competitividade ao setor”, afirmou.


O secretário-geral do Ministério da Defesa, Sérgio José Pereira, destacou o trabalho da Secretaria de Produtos de Defesa, que tem como atribuição principal promover o desenvolvimento de uma base industrial de defesa. “Atuando em parceria com o empresariado, o setor de defesa estimulou as potencialidades da indústria do País, construindo sólida base industrial de defesa, que vem apresentando resultados extremamente promissores”, disse ele, que estava acompanhado pelo secretário de produtos de defesa, Marcos Degaut.


Santa Catarina tem 13 Empresas Estratégicas de Defesa. Uma empresa é reconhecida como estratégica de defesa quando dispõe de conhecimento e tecnologias essenciais para a manutenção da soberania nacional. O Comitê da Indústria de Defesa da FIESC, o Comdefesa, presidido pelo industrial Cesar Olsen, realiza um amplo trabalho de aproximação entre as demandas das Forças Armadas e a indústria catarinense. O segmento de defesa nacional compra uma série de bens e serviços que podem ser fornecidos por empresas catarinenses.


Fonte: FIESC