top of page

MADEIRA ECOLÓGICA: DURABILIDADE, ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE NUM SÓ PRODUTO


O surgimento da madeira ecológica tem revolucionado os processos produtivos da indústria em seus vários setores. Por ser uma alternativa ecossustentável e mais econômica, o produto ganhou espaço também em algumas aplicações da construção civil e da decoração, representando maior durabilidade, já que não reage às intempéries da mesma forma que a madeira natural. Amplamente utilizado na Europa e norte da América, o WPC (Wood-Polymer Composite), como é tecnicamente designado o produto, ampliou sua participação no mercado brasileiro na última década.


Gerente comercial de uma empresa com mais de dez anos de experiência na fabricação de madeira plástica e sede no Paraná, Marco Covino explica que o mercado industrial tem se empenhado na busca pela sustentabilidade, agregando as chamadas 'soluções verdes' aos bens e serviços. Na construção civil, boas práticas ambientais, como a reutilização de materiais e redução de resíduos, já estão sendo adotadas.


“Quanto maior for o uso da madeira como produto, maior será o nível de desmatamento e impacto negativo sobre os recursos naturais e a biodiversidade, afetando o controle da erosão do solo e regulação do clima, por exemplo. Alternativas como a WPC são urgentes para o desenvolvimento econômico sustentável em diversos setores e melhoria da qualidade de vida das pessoas”, afirma Covino.


REUSO

A madeira ecológica é vista na construção civil como alternativa à madeira convencional, apreciada por arquitetos para a criação de ambientes ‘biofílicos’ por propiciarem controle térmico e acústico, além das características estéticas. As tábuas podem ser fabricadas em diferentes formatos e cores para decks, assoalhos, ripados, brises, revestimentos de fachadas e pergolados. Também há outras aplicações, como mobiliários residenciais e urbanos, placas de sinalização, caixas, entre outros. Mas, do que é feito este material?


“O WPC é criado da fusão de madeira de reuso e polímeros reciclados. Em nossa empresa, fabricamos composição patenteada com 70% de madeira proveniente do descarte de produção da indústria de pinus, chamada 'farinha de madeira'”, afirma Covino. Segundo ele, apesar de poluente, o efeito nocivo é compensado quando o produto é reutilizado ou reciclado e a produção do WPC consome menos recursos naturais. A madeira ecológica é composta ainda por cerca de 30% de polietileno de alta densidade – o material provém da reciclagem de embalagens químicas ou de produtos de limpeza. As sobras podem ser recicladas e dar origem a tábuas, utensílios de cozinha, cabides, entre outros acessórios.


ECONOMIA

“Podemos afirmar que o WPC é um novo tipo de material, que surgiu para mudar a construção civil. Os polímeros utilizados conseguem proteger perfeitamente a madeira, criando tábuas com 0,1% de absorção de água. A diferença no custo inicial do projeto atinge cerca de 20% em relação à madeira natural. Já que não necessita de manutenção constante, em menos de dois anos após a instalação é possível perceber redução de despesas. A durabilidade chega a mais de 50 anos”, finaliza Covino.

whatsapp-g975d2881e_1280.png
bottom of page