MERCADO DE TRABALHO DA CONSTRUÇÃO SEGUE REGISTRANDO RESULTADOS POSITIVOS


Foto: jarmoluk/Pixabay


Pelo quinto mês consecutivo, a construção civil registrou resultados positivos em seu mercado de trabalho. É o que indicam os dados de maio de 2021 do Novo Caged, divulgados dia 1º de julho, pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia. O setor gerou um saldo de 22.611 novas vagas com carteira assinada. O segmento mantém o ritmo de vagas criadas em março (24.315) e abril (21.537), mas continua quase 50% inferior ao observado nos dois primeiros meses do ano (média de 44.115).


Segundo a economista do Banco de Dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Ieda Vasconcelos, o setor segue criando novas vagas formais em seu mercado de trabalho e permanece em recuperação do seu processo produtivo, mas num ritmo menor do que poderia. “Esse cenário reflete os efeitos de dificuldades que persistem, como a pressão exercida pelo aumento dos preços dos insumos”, destaca.


Em maio, foram gerados no País, no conjunto de todas as atividades, 280.666 novos postos de trabalho com carteira assinada, o que correspondeu ao segundo melhor resultado do ano. Este número reflete o desempenho positivo observado em todos os cinco grandes setores da economia, com destaque para 110.956 vagas no setor de serviços e 60.480 vagas no comércio.


Desde janeiro de 2021, o mercado de trabalho formal vem registrando número de admissões superior ao número de demissões. De janeiro a maio de 2021 foram criadas 1,233 milhão de novas vagas. “Ressalta-se a importância desses números que, apesar do agravamento da pandemia, em função da segunda onda da Covid-19, foram positivos. A redução na mobilidade da população parece ter sido menos intensa do que a registrada no primeiro semestre de 2020”, frisa a economista.


Em maio de 2021, a construção civil possuía 2,430 milhões de trabalhadores com carteira assinada, o que correspondeu ao maior número registrado desde janeiro 2020, quando se iniciou a nova série do Caged.


Em maio, o estado de Minas Gerais foi o maior gerador de novos postos de trabalho na construção, com 4.943 mil vagas. O Pará surpreendeu e ficou com o segundo lugar, com 3.041 novas vagas, sendo destaque a criação de vagas no segmento de infraestrutura, com 2.392 mil. São Paulo, que durante os quatro primeiros meses do ano liderou a geração de vagas no setor, em maio ocupou o terceiro lugar, com 2.546 novos postos de trabalho. Apenas quatro estados apresentaram resultados negativos no mercado de trabalho na Construção em maio: Rio Grande do Sul (-768 vagas), Rio Grande do Norte (-219), Sergipe (-56) e Roraima (-55).


Fonte: CBIC