Buscar
  • Vizzotto Editora

Obras não registram aumentos de casos de Covid-19


Foto: Divulgação/CBIC

Apesar do crescimento do número de casos de Covid-19 no Estado de São Paulo e no País, os canteiros de obras continuam registrando um percentual ínfimo de suspeitos e confirmados da doença. Os dados são da 28ª Pesquisa “Conhecendo as Ações das Construtoras Paulistas no Combate à Covid-19”, realizada semanalmente pelo Sindicato da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e Sindicato da Habitação (Seconci-SP). Os casos suspeitos oscilaram de 0,09% para 0,08% do número de trabalhadores; e os confirmados se mantiveram em 0,04%.


De acordo com os presidentes do SindusCon-SP, Odair Senra, e do Seconci-SP, Haruo Ishikawa, o aumento geral de casos no País motiva a indústria da construção a ter um cuidado redobrado em suas atividades.


“Neste cenário preocupante, precisamos manter o rigor nas medidas de prevenção para preservar a saúde nos canteiros. Não podemos descuidar das medidas básicas de medição de temperatura antes do ingresso, e de higienização constante das mãos, ferramentas e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Devemos orientar permanentemente sobre a necessidade de afastamento na obra e na área de vivência, e o uso e descarte corretos de máscaras”, recomendam Senra e Ishikawa.


Nesta 28ª rodada, foram obtidas respostas de 41 empresas, responsáveis por 520 obras, envolvendo 34.580 empregos diretos e terceirizados, de 12 a 18 de novembro.


Principais resultados da 28ª Pesquisa:

  • 0,08% afastados por suspeita de Covid-19;

  • 0,04% afastados por confirmação da doença;

  • 516 obras em andamento e 4 paradas;

  • 98% do pessoal estão em atividade;

  • 100% das empresas adotam medição de temperatura e higienização das mãos, dão orientações diárias sobre prevenção, e higienizam e realizam demarcações em áreas de vivência;

  • 98% fornecem máscaras para o transporte, orientam sobre limpeza dos Equipamentos de Proteção Individual e afixam informativos impressos sobre a Covid-19 nos locais de circulação;

  • 93% fornecem máscaras para utilização na obra, realizam limpeza de EPIs e ferramentas e instituem horários escalonados para entrada, saída e refeições;

  • 88% realizam outras práticas para a prevenção da contaminação entre os trabalhadores e a comunidade e distribuem informativos eletrônicos de orientação.

Veja os relatórios completos das pesquisas:

Cinco últimas

19ª à 23ª

13ª à 18ª

7ª à 12ª

Seis primeiras

Fonte: CBIC

10 visualizações0 comentário

Centro Empresarial Sibara

Avenida Brasil, 1500, sala 317

Centro | Balneário Camboriú

88.330-901

CONTATO:  (47) 3264.9639  |  3361.0191   |   3398.3820   |   9936.0147

Copyright © 2018 Vizzotto Editora - Todos os direitos reservados.