PIX TEM NOVA FUNCIONALIDADE


Imagem: Jeshoots-com/Pixabay


No aniversário de um ano, o Pix, sistema de pagamento instantâneo do Banco Central (BC), ganha nova funcionalidade. Entrou em vigor o Mecanismo Especial de Devolução, que agi-lizará o ressarcimento ao usuário vítima de fraude ou de falha operacional das instituições financeiras. O mecanismo está regulamentado por uma resolução editada pelo BC em ju-nho. Desde então, as instituições financeiras estavam se adaptando aos procedimentos.


Até agora, em uma eventual fraude ou falha operacional, as instituições envolvidas preci-savam estabelecer procedimentos operacionais bilaterais para devolver o dinheiro. Segundo o BC, isso dificultava o processo e aumentava o tempo necessário para que o caso fosse analisado e finalizado. Com o Mecanismo Especial de Devolução, as regras e os proce-dimentos serão padronizados.

SAQUE E TROCO


Outras novidades para o Pix virão em breve. A partir do dia 29 estarão disponíveis o Pix Saque e o Pix Troco, que permitem o saque em espécie e a obtenção de troco em esta-belecimentos comerciais e outros lugares de circulação pública. No Pix Saque, o cliente poderá fazer saques em qualquer ponto que ofertar o serviço, como comércios e caixas ele-trônicos, tanto em terminais compartilhados quanto da própria instituição financeira. Nes-sa modalidade, o correntista apontará a câmera do celular para um código QR (versão avan-çada do código de barras), fará um Pix para o estabelecimento ou para a instituição finan-ceira e retirará o dinheiro na boca do caixa. O Pix Troco permite o saque durante o paga-mento de uma compra. O cliente fará um Pix equivalente à soma da compra e do saque e receberá a diferença como troco em espécie. O extrato do cliente especificará a parcela destinada à compra e a quantia sacada como troco.

OPEN BANKING


Ainda neste trimestre, o BC pretende estender o iniciador de pagamentos ao Pix. Por meio dessa ferramenta, existente para pagamentos por redes sociais e por aplicativos de com-pras e de mensagens, o cliente recebe um link com os dados da transação e confirma o pagamento. Atualmente, o iniciador de pagamentos existe para compras com cartões de crédito e de débito. O BC pretende ampliar a ferramenta para o Pix, o que só será possível por causa da terceira fase do open banking (compartilhamento de dados entre instituições financeiras), que entrou em vigor no fim de outubro. Com a troca de informações, o cliente poderá fazer transações Pix sem abrir o aplicativo da instituição financeira, como ocorre ho-je. O usuário apenas clicará no link e informa a senha ou a biometria da conta corrente para concluir a transação. Tudo sem sair do site de compras, do aplicativo de entregas ou da rede social.


Fonte: Agência Brasil