PRESIDENTE DA CNI DEFENDE CONCESSÕES E MENOS BUROCRACIA PARA O PAÍS CRESCER


Foto: Eluj/Pixabay


O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, defendeu que o caminho para o crescimento econômico do País passa essencialmente pelos investimentos em obras de infraestrutura. Ele observou, no entanto, que a insegurança jurídica em torno das leis brasileiras e das normas tributárias afasta o investidor. “Precisamos tirar a insegurança jurídica, principalmente na questão tributária e criar um ambiente que possa privilegiar a geração de emprego, a renda e o consumo”, pontuou.


Andrade participou do seminário Indústria em debate: Infraestrutura e retomada da economia, realizado pelo jornal digital Poder360 em parceria com a CNI, na quarta-feira (18). O debate teve a presença do Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.


Para Robson Andrade, é preciso avançar nos programas de concessões para que o investimento estrangeiro privado possa vir para o Brasil, além dos recursos nacionais. “Para isso, precisamos tirar as amarras que existem na legislação, principalmente tributárias e de burocracia, pois com essas dificuldades o apetite do investidor diminui muito”, disse.


O presidente da CNI quer também uma reforma tributária ampla para a melhoria do ambiente de negócios no Brasil, de forma que se abra a possibilidade de a sociedade e os investidores terem conhecimento das regras de tributação.


Robson Andrade enfatizou, ainda, que a CNI é contrária ao texto em discussão da reforma do imposto de renda, entre outros motivos por aumentar a carga tributária para a maior parte da população e para segmentos como a indústria.


INVESTIMENTOS PARA RECUPERAÇÃO ECONÔMICA

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou que os maiores desafios para a recuperação econômica do País são a melhoria da produtividade e o enfrentamento da ineficiência na alocação de recursos públicos. Segundo ele, o caminho imediato para a atração de investimentos passa pela agenda de concessões e de privatizações na área de infraestrutura. “As grandes oportunidades de investimentos no Brasil estão na área de infraestrutura. Como aumentar os investimentos? Por meio dos leilões de concessões”, disse o ministro, acrescentando que não há outro caminho. “Não tem como contar com orçamento público. Nesse período, a despeito de todas as dificuldades, transferimos para a iniciativa privada 74 ativos. Fizemos 74 leilões. Alavancamos a marca de R$ 80 bilhões em investimentos contratados”, acrescentou o ministro.


Freitas listou série de medidas que vêm sendo adotadas pelo governo federal para atrair investimentos nos setores de transporte, energia e saneamento básico. Ele observou que o maior leilão rodoviário do País – da Via Dutra, que inclui também a rodovia Rio-Santos, – está marcado para o dia 29 de outubro.


O ministro mencionou também que o governo trabalha nos editais de concessões de uma nova rodada de aeroportos, incluindo os terminais de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Disse ainda que serão priorizadas as concessões de portos públicos – sendo que o primeiro leilão será o da Companhia Docas do Espírito Santo. Na sequência, a previsão é de que sejam conduzidos os leilões dos portos de São Sebastião, Itajaí e Santos.


Fonte: Agência CNI de Notícias

Posts recentes

Ver tudo

DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS CAEM ESTE ANO

“À medida que o Brasil avança na vacinação em massa, estamos gradualmente saindo do estado de emergência para o retorno seguro ao trabalho, à normalidade”, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes