SETOR IMOBILIÁRIO TEM INTENÇÃO DE COMPRA ACIMA DAS EXPECTATIVAS


Foto: PIRO4D/Pixabay


Na última semana, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) participou do webinar “1 ano de pandemia – como está a intenção de compra de imóveis?”, realizado em parceria com a empresa Brain Inteligência Estratégica. De acordo com levantamento apresentado durante a live, o mercado imobiliário segue acima das expectativas no período da pandemia, tanto para a compra de imóveis voltados para o público de alta renda, quanto para o público de baixa renda. “O mercado está bastante consistente”, destacou Celso Petrucci, vice-presidente da área imobiliária da CBIC.


Para Fábio Tadeu Araújo, sócio da Brain Inteligência Estratégica, a pesquisa demonstrou que o nível de intenção de compra de imóveis está “estável” em 2021, em comparação a 2020. Segundo ele, a demanda está maior que a oferta e as compras de imóveis vêm acontecendo em todas as classes, mas em especial entre o público de alta renda, por questões de investimento. “O imóvel entrou no cardápio, na carteira de investimento do público de alta renda”, complementou Marcos Kahtalian, também sócio da Brain.


Petrucci avaliou que a busca por imóveis se deve especialmente ao valor da Taxa Selic - índice que define os juros básicos da economia -, pois a compra do imóvel de alto padrão passou a ser um fator de “patrimonialização” pelo público de alta renda, especialmente aqueles imóveis que custam a partir de R$ 1 milhão.


O vice-presidente da CBIC ainda destacou o atual momento do financiamento imobiliário, já que foi observado um aumento na demanda nas operações do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), apesar da pandemia. Petrucci ainda lembrou que a posição dos bancos na manutenção das taxas de juros é boa e deve ser mantida até o final de 2021.


Fonte: CBIC

Posts recentes

Ver tudo

DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS CAEM ESTE ANO

“À medida que o Brasil avança na vacinação em massa, estamos gradualmente saindo do estado de emergência para o retorno seguro ao trabalho, à normalidade”, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes